3 de março de 2013

DJANGO PERDOA, MAS GIRÃO NÃO...E O CDUL SOMA TROFÉUS *

Confirmando o favoritismo que lhe era atribuído o CDUL bateu, sábado, Agronomia, por 35-23, conseguindo a sua quarta vitória nas últimas finais que disputou e juntando aos títulos nacional, ibérico e supertaça, a vitória na Taça de Portugal – o seu 7.º triunfo numa prova que não conquistava há 24 anos!  

Numa partida bem disputada e muito mais equilibrada do que se esperaria, os campeões nacionais só a nove minutos do final passaram para a frente do marcador e com 13 pontos conseguidos nesse derradeiro período, conseguiram um triunfo justo, mas com resultado demasiado desnivelado para aquilo que se assistiu ao longo dos 80 minutos do Jamor. 

E bem podem pôr uma velinha a Tiago Girão, o protagonista-mor desta 51.ª edição, autor de 30 pontos fruto de sete penalidades, duas conversões e um ensaio, fazendo esquecer Pedro Cabral e recordar avançados-chutadores como os galeses da década de 70 Alan Martin e John Taylor ou o fabuloso australiano bicampeão mundial John nobody Eales (porque ninguém é perfeito…tal como ontem Girão). E a falta que ele fez no jogo contra a Bélgica, devido ao dedo do pé partido há pouco mais de 15 dias num treino da seleção…

Se calhar impulsionados pela singela mas comovente homenagem feita pelo CDUL, antes do apito inicial – com a oferta de uma fotografia tirada por Miguel Rodrigues ao seu antigo técnico, José Ricardo Sequeira, timoneiro das Taças ganhas nas últimas quatro épocas – os agrónomos entraram decididos a lutar pelo inédito penta, mostrando que vinham com a lição bem estudada perante universitários que começaram ao jeito de “vamos ver o que vem dali, pois isto mais tarde ou mais cedo resolve-se”. 
E resolveu-se, mas a lição é que convém não abusar da sorte

Com a avançada mais combativa e agressiva (pena que Marthinus Hoffman não estivesse a 100%, ele que é sempre o dinamizador do pack da Tapada…) e a favor da forte ventania, Agronomia ia dominando a partida, apesar das dificuldades sentidas nas mêlées, onde ganhavam as suas bolas muitas vezes a recuar, obrigando a aturado trabalho o n.º 8 António Duarte, rápido a sacar as bolas e com saídas bem urdidas. 

Mas as múltiplas faltas e os inúmeros adiantados feitos pelas duas equipas ocasionavam muitas paragens que baixavam o ritmo do jogo, face à correta e inclemente arbitragem de Pedro Murinello, bem ao seu estilo.

E com um empate a 6-6 (penalidades de Duarte Cardoso Pinto e Tiago Girão) aos 26’ lá surgia finalmente o primeiro ensaio, após bela iniciativa do centro Guilherme Covas e passe rápido do formação Duarte Cortes (bom jogo!), com Gonçalo Barros, perante tentativa ténue de placagem, a fazer os 13-6.

Até ao intervalo Girão converteu uma de três tentativas aos postes (nobody falhou duas…), com Cardoso Pinto a converter nova penalidade no derradeiro lance, quando Agronomia já estava reduzida a 14, por amarelo mostrado a António Duarte por contínuos foras-de-jogo, e chegava ao descanso na frente, por 16-9. 

O CDUL veio dos balneários com, aleluia!, uma nova atitude e sem deixar os adversários tocarem na oval, montou uma sucessão imparável de rucks, concluída em força pelo talonador Miguel Vilaça, a receber belo passe de Faleafa, voltando a empatar o jogo (16-16).


E quando se esperaria que, a partir daí, os campeões nacionais se impusessem em definitivo, deu-se a reação agrónoma, explicando que a Taça não iria ser entregue de mão beijada. 
E assim, aos 53’ uma espetacular cavalgada de 60 metros de Guilherme Covas, só foi parada por uma placagem kamikaze de Nuno Penha e Costa a dois metros da linha, para na sequência, um bem medido passe interior de Cardoso Pinto para o entrado ao intervalo Bernardo Campelo (saravah!), que numa bela diagonal e arrastando o placador consigo, pôs de novo a sua equipa na dianteira (23-16).


Mas agora sim, este seria o canto do cisne dos homens de Murray Cox, pois o CDUL, a mostrar mais peito começou decididamente a empurrar o jogo para o meio-campo adversário e, finalmente, mostrava aos seus adeptos – até aí muito calados – que queria mesmo ganhar o jogo. 

E foi altura de surgirem as suas individualidades. 

O capitão Gonçalo Foro, insatisfeito, aparecia em todo o lado – até teve um ensaio negado pelo auxiliar Pedro Fonseca, por ter pisado a linha lateral (e se pisou, já que as imagens televisivas não são conclusivas, foi por dois milímetros…) –, Pinto de Magalhães acelerava passes e jogo, e no pack Girão, Faleafa, Seti Filo, João Lino, Diogo Fialho (belo jogo, que até incluiu uma arrancada com finta de passe que Matt Gireau não desdenharia…) & Companhia, principiavam a ganhar todos os duelos e o rolo compressor azul fazia estragos.

 A defesa agrónoma começava a denotar grandes dificuldades e fazia faltas sucessivas que Tiago Girão, implacável e agora sem perdão, penalizava ao converter quatro seguidas, passando a sua equipa finalmente para a frente, por 28-23.

Em cima da hora, Cardoso Pinto arriscou (bem!) sair a jogar da sua área de validação, mas um passe mal medido fez cair a oval, captada por Girão - ora quem -, que em jeito de cereja em cima do bolo da sua inesquecível exibição, mergulhou para o ensaio que estabelecia os 35-23 finais.

O SALDO **
Foram 24 anos de espera para que os universitários conseguissem repetir o triunfo de 1989, quando bateram o Belenenses no jogo derradeiro (13-12), e esta é, pelo menos desde 2001 (infelizmente não temos dados referentes à Super Taça anteriores a essa data, e desconhecemos mesmo quando ela foi disputada pela primeira vez) uma ocasião única em que uma mesma equipa acumula todos os títulos que pode conquistar, em Portugal.

Na verdade o CDUL, além do troféu ontem conquistado, é Campeão Nacional em exercício (bateu Agronomia por 24-15), venceu a Super Taça referente à última época (derrotou Agronomia por 45-11) e é Campeão Ibérico (bateu o Valladolid por 24-13)!

Não bastasse esta demonstração da atual superioridade do CDUL em Portugal e na Ibéria, os azuis venceram também ontem a Taça de Portugal de Sub-21, batendo o CDUP por 25-24, são também titulares da Super Taça (derrotaram a Académica por 26-12) e, para fechar da melhor maneira, são ainda os atuais Campeões Nacionais do escalão.

Falta referir que os universitários venceram também, nos sub-21, a Taça Ibérica que se disputou em Novembro de 2011, derrotando o Ciências de Sevilha por 17-13.

Ou seja, nos Homens, o CDUL é detentor de todos os títulos nacionais e ibéricos!

* Texto: António Henriques
** com Manuel Cabral
Fotos: Aguinaldo Vera Cruz, António Simões dos Santos e Miguel Rodrigues

30 comentários:

Anónimo disse...

Bom artigo.
Mas neste momento todos os adeptos de rugby portugues odeiam o CDUL menos, claro esta, os proprios dos adeptos do CDUL.
Equipas de seniores e sub21, por favor nao deixem que este clube seja campeao este ano, ja tem o papo demasiado cheio..

Anónimo disse...

O CDUL foi ontem um justo vencedor, principalmente pelo excelente trabalho do seu pack avançado, e pela qualidade do seu banco, que veio refrescar a equipa, o que Agronomia não foi capaz de fazer. No entanto, é preciso notar a constrangedora exibição da linha de 3 quartos do CDUL, toda ela internacional ou quase, que praticamente não conseguia fazer 3 passes seguidos sem um erro. Ao assistir a esses erros percebemos porque a selecção não consegue usar as bolas nas linhas atrasadas. Somente através de arroubos individuais de Foro é que ganhou metros.

Anónimo disse...

Odiar !! Uma palavra que não se coaduna com o rugby. Que comentário mais ridículo e infeliz...

Anónimo disse...

Odio é uma palavra demasiado forte, mas é indescutivel que o CDUL actualmente tem o melhor plantel do campeonato e que é o alvo a abater. O gigante acordou e agora vai ser cada vez mais importante para-lo. No entanto, o CDUL na fase final tem de dar mais porque contra esta equipa da agronomia um forcing final foi suficiente face a fraca capacidade fisica e banco dos agronomos, o mesmo não será suficiente frente a clubes como o direito ou o belenenses na sua máxima força

Jonas Stilwell disse...

boa vitória da melhor equipa, num jogo em que os agrónomos que se bateram muito bem, deram o que tinham e o que não tinham e isso mesmo acabou por se traduzir numa quebra fisica que o pack avançado do CDUL não perdoou.

parabéns ao CDUL!
abraços

Anónimo disse...

Tantos elogios ao CDUL mas oque seria do CDUL sem os 3 Estrangeiros? Seguramente não tinham ganho este jogo.

Anónimo disse...

E para quando uma atualização dos resultados e tabela classificativa do CN I Divisão Feminino!
Basta para isso consultar a página da internet da Federação, que os resultados estão lá.
Ou o MdM está também apostado, tal como a Federação (Presidente, Diretor técnico Nacional), a arrasar o trabalho de uns 10 anos de investimento e crescimento do rugby feminino que tão bons resultados estava a dar, interna e internacionalmente?

Anónimo disse...

parabéns ao CDUL , não quero deixar de falar de evidências , nunca os clubes estiveram tão fracos assim como o campeonato , o CDUL manteve-se mas se olharmos reflecte o selecção nacional , fraco nível , aliás olhando para a composição da equipa na sua maioria eram segundas ou terceiras figuras no plano nacional . sinais do tempo , esperemos que o futuro traga melhor do que o presente , não me parece

Manuel Cabral disse...

Anónimo das 08:56
Antes de escreveres devias pensar no que escreves.
A classificação e resultados apresentados no MdM foram atualizados ontem, domingo, tendo como referência os elementos que na altura estavam disponíveis no site da FPR.
Alterações posteriores serão feitas quando voltarmos a atualizar as classificações, o que não acontecerá antes do próximo fim de semana.
E aproveito para notar o ar ofendido como te referes ao que o MdM tem feito. Deve ser porque não tomaste atenção aos múltiplos pedidos de colaboração que aqui foram feitos. E aos quais se juntam os diversos contatos que fizemos com pessoas ligadas de qualquer forma ao rugby feminino, para que colaborassem connosco.
Mas, infelizmente, ninguém se disponibilizou para tal.
Então das duas uma: ou não existe interesse no que se publica sobre o rugby feminino, ou então é pelo fato de todas as colaborações serem graciosas...
Mas é assim que é, pois o MdM não paga aos seus colaboradores, como o faz a FPR ou grande parte dos clubes.
E quem aqui colabora não tem tempo para fazer mais do que já faz...
Querem mais e melhor?
Adiantem-se, ofereçam a vossa colaboração gratuitamente.
No que respeita ao rugby feminino não existe nem um clube ou adepto que nos envie os resultados dos jogos. Portanto, com este nível de colaboração, nada mais se pode fazer.
Quanto à comparação que fazes entre o MdM e a FPR, não merece qualquer comentário.
Apenas referir, que não existe pior cego do que aquele que não quer ver.

Anónimo disse...

Bom jogo, com uma vitória dos azuis mais dificil do que se esperava, e talvez não merecida.

Anónimo disse...

No seguimento dos jogos na selecção, continuo preocupado com a forma dos 3/4 do Cdul apresentada nesta final, ou defenderam-se muito? Não gostei...
Pareceu-me bem melhor os 3/4 de Agronomia, principalmente o 2º centro, para não voltar a falar do C. Pinto.

Anónimo disse...

Toda a gente fala na razia que os outros plantéis levaram, mas eu gostaria de ver uma equipa perder de um ano para o outro:

- Pedro Cabral, melhor nº 10 e playmaker de Portugal, mais de 30 Internacionalizações (LESIONADO TODA A ÉPOCA, só fez 4 jogos)

- João Júnior, melhor pilar que actuava em Portugal, dezenas de vezes internacional A (FOI TRABALHAR PARA A ALEMANHA)

- Veltioven Tavares, internacional (FOI ESTUDAR PARA INGLATERRA)

- Bernardo Silveira, várias vezes internacional por Portugal (FOI ESTUDAR PARA INGLATERRA)

Isto para não falar em jogadores que no ano passado fizeram parte do plantel do CDUL: David dos Reis (int. A), Michael Dias (int. A), Justin Pakes, Callum Morrinson, Frederico Melim (foi para o Belenenses), etc ...

Sinceramente gostaria de ver outra equipa a perder 1 dezena de jogadores deste nível e aguentar-se (sem andar a chorar-se aos 4 ventos por estas indisponibilidades) ... portanto não vale a pena negar o EXELENTE TRABALHO que o CDUL como clube tem feito e perceber a quantidades de miúdos que jogam nos sub-21 e nos Seniores, e que se trabalhado muito e bem no CDUL.

Para terminar, o Carl Murray é neo-zelandês/português, eu não o consideraria estrangeiro senão há vários outros que também o são. Joga cá há N anos, é casado com uma portuguesa, tem um filho português, etc ... é bastante mais português do que muitos que cá nasceram. E para que se saiba o Seti Filo está e estará cá em Portugal pelo menos mais 3 anos e meio, que é quando acaba o contrato da sua mulher que trabalha na Embaixada dos EUA em Lisboa e por isso podem contar com ele ... e estúpido seria o clube que não quisesse um jogador assim por 4 anos, muito estúpido mesmo!

Anónimo disse...

Quais foram os xv titulares dos sub21?

Anónimo disse...

XV sub-21 do Cdul:
1- Rodrigo Martins de Almeida
2-João Pinheiro
3-Bruno Medeiros
4-João Dias Abreu
5-António Stilwell
6-Sebastião Pinto Bravo
7-Tomás Botelho
8-Sebastião Villax
9-Francisco Ribeiro Telles Bastos
10-Bernardo Megre
11-David Araújo
12-Gustavo Morais e Castro (Cap.)
13-Tomás Appleton
14-Bernardo Cannas
15-Tomás Noronha

Anónimo disse...

tendo o CDUL um plantel tão vasto, como dizem, quantos desses jogadores estiveram no banco do jogo dos seniores? e com quantos sub23 jogou? justifica essas escolhas, ou dar a oportunidade a outros? é claro que é um titulo... e já agora, só jogaram com 15 ou os outros não interessam?

Anónimo disse...

claro que o Cdul tem feito um óptimo trabalho especialmente nos Sub-21 e tem sabido manter a competitividade nos Séniores. Acredito também que o facto de ter muitos jogadores na selecçao permite elevar o nivel de qualidade, mas isso é sinal de que tem bons jogadores, tal como no passado acontecia com Cascais, Direito, Académica, etc.

Agora que há outros clubes que também perderam muitos jogadores da época passada para esta lá isso há: é ir aos registos da FPR e ver que por exemplo Agronomia e Direito foram tb muito "penalizados" com muitas baixas, ora por lesoes ora por motivos profissionais. Creio que cada um tem sensivelmente 10 jogadores que habitualmente jogavam o ano passado e que este ano ainda não jogaram praticamente.

Anónimo disse...

XV do CDUP
1-José Gama
2-João Corte-Real
3-Miguel Rodrigues
4-Lourenço Matalonga
5-José Soares Franco
6-Miguel Queirós
7-Eduardo Macedo
8-Miguel Trêpa
9-Carlos Sottomayor
10-Rodrigo Figueiredo
11-Francisco Vieira (cap)
12-John Rogerson
13-António Ferreira da Silva
14-Francisco Marrana
15-Nuno Sousa Guedes

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Estas discussões são completamente ridiculas!

Uma coisa é certa, o CDUL tem o plantel mais equilibrado do campeonato e viu-se este fim de semana isso mesmo! Mesmo com substituições o nível de jogo (embora fraco) manteve-se e mostrou-se capaz de virar um jogo complicado nos últimos minutos. Enquanto que a agronomia, que se batia até ali muito bem, não tinha ninguém capaz no banco para fazer os desgastados jogadores que alinharam de inicio!!

Belenenses? Direito? são equipas que quando não têm os habituais internacionais andam para aí a chorar e a tentar justificar más exibições, resultados, ou o quer que seja. Recorde-se que o CDUL jogou a maior parte da época sem muitos dos seus jogadores titulares, devido a compromissos internacionais, e mesmo assim ocupa (completamente isolado) a primeira posição do campeonato! Tendo ganho sem quase uma equipa inteira a esta mesma agronomia... Tem um grande plantel, equilibrado e com pessoas capazes de substituir os habituais titulares! Isso sim é uma equipa...não aquelas que vivem de 5 jogadores que estão fora e que sem elas não fazem nada!

Não podia ser mais merecido este título e fico bastante orgulhoso dos que jogaram e se bateram contra uma difícil e aplicada agronomia este fim de semana!

Internacionais? Carl é português e antes de o Dan Faleafa, que é um grande jogador, já o CDUL ocupava o primeiro lugar no campeonato e já tinha ganho uma supertaça com números expressivos!

um bem haja e saudações CDULISTAS!

Anónimo disse...

Realmente os 3/4s do Cdul nao fizeram um grande jogo mas também nao deve ser fácil treinarem constantemente na seleção (alguns a posiçoes diferentes) e depois com um ou dois treinos pelo clube ir jogar a final taça. As rotinas não são as mesmas, os jogadores são outros... Tiveram um jogo menos bom, acontece! Veja-se os bons jogos que já fizeram esta época, ganhando inclusivé à agronomia na super taça por uma margem bem grande! Nao quero com isto tirar mérito aos avançados do Cdul, que grandes jogos têm feito, como também têm outros jogos menos conseguidos..

Anónimo disse...

O que me parece é que os jogadores do CDUL estão a desaprender na selecção. voltam a jogar pior do que quando estão em exclusivo no clube. O que é algo estranho

miguel rodrigues disse...

O CDUL jogou de inicio com 3 jogadores U23, Tomás Botelho, David Araújo e Tomás Noronha.
No banco dos seniores só esteve Bruno Medeiros que não foi utilizado e que é U21.
No banco de suplentes estavam:
Diogo Ramos
Gonçalo Madaleno U18
João Vian
Pinto Leite U18
Diogo Oliveira U23
Teotónio Pereira
Martim Megre e
Francisco Valério U23
e não contou com jogadores importantes U21 que estavam lesionados ou doentes, Francisco Esteves, Frederico Bensimon, Pedro Melo e Vasco Navalhinhas entre outros.

Anónimo disse...

Acordem, os Clubes estão mais fracos porque não têm dinheiro. Não contratam estrangeiros, nem jogadores nem treinadores.
A Seleção nacional ao contrário do que já aqui li está a um nível muitíssimo superior a qualquer clube. É evidente. Nunca tivemos uma Seleção com o valor desta. Vamos apoiá-la.

Anónimo disse...

"Nunca tivemos uma Seleção com o valor desta."

O meu amigo não deve ter visto a selecção de 2007, dava 10 a 0 a esta! Com a selecção de 2007, depois destes 3 jogos estariamos em 1º lugar concerteza!

Anónimo disse...

lendo os comentários sobre o CDUL parece que o CDUL está entre as melhores equipas da Europa, parece que são inbativeis qualuqer dia começam por aqui a dizer que não vale a pena entrarem no CN e que querem mas é entrar num campeonato europeu, não tenham mais olhos do que barriga essa arrogância não vos fica nada bem.

Anónimo disse...

Diz-me lá que comentários é que te levam a dizer isso? Onde é que algum adepto do Cdul foi arrogante nos comentarios escritos até agora? Tem juízo e admite uma coisa, neste momento são a melhor equipa em Portugal e os títulos dos últimos 12 meses comprovam isso!!

Anónimo disse...

Não só de Portugal, da Península Ibérica!

Anónimo disse...

Caro António Henriques
A AAC venceu a Super Taça em 1988/89, num jogo disputado no Estádio Nacional com o Benfica. Nesse ano não foi entregue qualquer taça ou troféu. O Presidente da FPR disse-me, no final do jogo, que a competição merecia um troféu. Por isso penso que a partir dessa data começaram a entregar uma taça à equipa vencedora. Não me recordo quem era o Presidente (Raul Martins, Picão de Abreu???). Os treinadores eram o Sérgio Franco e o Crag Ferris que na altura também jogava e bem. Tive o prazer de o rever recentemente curiosamente ambos nas mesmas funções como adversários. Na época de 1996/97 a minha Académica não só igualou o feito do CDUL do presente (Campeonato, Taça, Super Taça, Taça Ibérica), como venceu ainda a Taça Primavera, competição instituída pela FPR, para o período de competição da seleção, que a AAC venceu nas 4 edições da sua existência. Os "pretos" venceram ainda, nesse ano, o Festival Internacionla de Rugby de Coimbra, mais precisamente o torneio de sevens que estava incluído nesse evento organizado pelo Comité de Coimbra e pelo dinâmico Tony Cabral Fernandes. Abraço amigo do Sérgio Franco

Manuel Cabral disse...

Caro Sérgio franco,
Quem escreveu essa parte do texto fui eu, e não o António Henriques, mas vamos tentar então recuperar os dados.
Esse jogo que tu referes entre a AAc e o SLb não deve ter sido nesse anos, pois a AAC não venceu nenhuma prova nessa altura. Os vencedores dessa altura foram (entre parênteses nas taças, os finalistas vencidos):
TAÇA: 1986/87 - Cascais (CDUL), 1987/88 - CDUL (AAC), 1988/89 - CDUL (Belenenses), 1989/90 - AAC (Cascais), 1990/91 - Cascais (Benfica), 1991/92 - Cascais (Benfica), 1992/93 - Cascais (CDUL), 1993/94 - IST (AAC), 1994/95 - AAC (Cascais), 1995/96 - AAC (SLB), 1996/97 - AAC (Cascais), 1997/98 - Agronomia (AAC), 1998/99 - Agronomia (SLB), 1999/2000 - Agronomia (SLB).
Campeonato: 1986/87 - Cascais, 1987/88 - SLB, 1988/89 - CDUL, 1989/90 - CDUL, 1990/91 - SLB, 1991/92 - Cascais, 1992/93 - Cascais, 1993/94 - Cascais, 1994/95 - Cascais, 1995/96 - Cascais, 1996/97 - AAC, 1997/98 - IST, 1998/99 - GDD, 1999/2000 - GDD.
Então, a ter havido Super Taça nesses anos, deveriam ter sido:
Ano = Vencedor Campeonato - Vencedor Taça (ou finalista vencido, se o vencedor for o mesmo do Campeonato)
1987 = Cascais v CDUL (Finalista vencido da Taça)
1988 = SLB v CDUL
1989 = CDUL v Belenenses (Finalista vencido da Taça)
1990 = CDUL v AAC
1991 = SLB v Cascais
1992 = Cascais v SLB (Finalista vencido da Taça)
1993 = Cascais v CDUL (Finalista vencido da Taça)
1994 = Cascais v IST
1995 = Cascais v Académica
1996 = Cascais v Académica
1997 = Académica v Cascais (Finalista vencido da Taça)
1998 = IST v Agronomia
1999 = GDD v Agronomia
2000 = GDD v Agronomia.
A partir daqui podes consultar em http://www.historico.maodemestre.com/p/super-taca-resumo.html

Então, dentro destes resultados, acho que esse jogo que tu referes de 1988/89 não foi uma Super Taça e se calhar nem foi em 88/89...Tem mais cara de ter sido a final da Taça de Portugal em 1995-96...
O que justificaria que no ano seguinte (1996-97) se tivesse jogado uma Super Taça entre AAC e Cascais...Terá sido...?
Olha para as datas e vê se te recordas de alguma coisa...

E se mais alguém tiver elementos que ajudem a decifrar este puzzle agradeço que deixe aqui a sua contribuição.

Abraço
Manuel Cabral

Anónimo disse...

A Académica participou nessa super taça porque foi finalista da taça de portugal no ano anterior e o CDUL, que tinha direito a participar na super taça, porque tinha um diferendo com a FPR, recusou participar. Assim a FPR entendeu chamar a AAC. Um forte abraço para ti. Julgo que estarás no Brasil, Sérgio Franco