21 de Outubro de 2014

PEDRO BETTENCOURT ESTREIA EM FRANÇA NOS ESPOIRS DO CLERMONT *

* Manuel Lopes
Num fim de semana marcado pela primeira jornada das competições europeias de clube, o destaque do Mão de Mestre vai inteirinho para a estréia de Pedro Bettencourt, recuperado de todas as lesões e que entrou aos 55 minutos na vitória das Espoirs do Clermont sobre o Grenoble.

No duelo entre Lobos, entre o Massy e o Carcassonne, o Mike Tadjer Barbosa levou a melhor sobre o José Lima, e os jogadores portugueses estiveram muito bem.

Na Champions Cup o Clermont foi batido pelos Saracens por 30-23, e o Julien Bardy entrou aos 70 minutos, quando a derrota já estava consumada.

19 de Outubro de 2014

NA DH CAMPEÃO CONTINUA NA LIDERANÇA COM MÁXIMO DE PONTOS *

*António Henriques
Quatro vitórias e 21 ensaios marcados contra quatro consentidos foi o registo alcançado pelos favoritos numa 3.ª jornada da DH sem surpresas, já que as equipas mais apetrechadas não facilitaram e, com exceção do Técnico, acabariam todas por somar ponto de bónus. 

CDUL e Cascais, como se esperaria, mantêm-se invictos, estando os universitários na liderança com o máximo de pontos possíveis (15).

VILA DA MOITA FESTEJA PRIMEIRA VITÓRIA NO ESCALÃO

Num fim de semana em que o Rugby Vila da Moita festeja a sua primeira vitória na 1ª Divisão, o São Miguel foi ao Algarve conquistar os seus primeiros pontos e o Sporting conservou o registo perfeito de tantas vitórias quantos os jogos realizados.

Na viagem às Caldas o Benfica conseguiu uma importante vitória e a Lousã, graças à vitória em Évora, não só realiza a mesma proeza que o Sporting, como conserva a liderança, fruto de melhor comportamento no capítulo dos bónus.

17 de Outubro de 2014

CHAMPIONS CUP ARRANCA COM NOME NOVO MAS OS MESMOS CLUBES

A Champions Cup, competição de clubes mais importante da Europa, arranca hoje com a realização do encontro entre Harlequins e Castres, continuando no sábado com a realização de outros cinco encontros, para que o encerramento da jornada se realize no domingo, com as restantes quatro partidas.

Herdeira da Heineken Cup de boa memória, a Champions Cup é resultado de uma longa movimentação dos clubes franceses e, posteriormente ingleses e galeses que se uniram debaixo de uma nova organização, a European Professional Club Rugby, e assume-se como uma verdadeira Taça dos Clubes Campeões Europeus, reunindo os melhores da PRO12 - assegurando a participação de, pelo menos, uma equipa galesa, uma irlandesa, uma escocesa e uma italiana - da TOP-14 francesa e da Aviva Premiership inglesa.

16 de Outubro de 2014

ÁGUIAS VISITAM PELICANOS EM CONFRONTO EQUILIBRADO

Na terceira jornada do Nacional da 1ª Divisão, deve manter-se a nota de equilíbrio que foi evidente nas duas primeiras etapas da prova, e mesmo a Lousã, que se tem evidenciado, enfrenta um importante teste na sua deslocação a Évora, em mais um final de semana em que todos os jogos se disputam no sábado.

Mas a verdade é que em nenhum dos jogos existe um vencedor antecipado, numa prova que é claramente uma forma de preparação das equipas para outros desafios - mas apenas para as que ambicionem evoluir em termos de competição.

Pena foi que a FPR tenha acabado com as equipas B's e tenha inventado a história de um sub-escalão restritivo, pois estamos convencidos que a maior parte dos clubes desta divisão seriam capazes de ter duas equipas em competição.

CDUL ‘DE CHINELAS’ RECEBE UM BELÉM DE AZUL DESMAIADO *

* António Henriques
A 3.ª jornada da DH que se disputa toda no sábado será a primeira da temporada englobando confrontos entre equipas do mesmo grupo, pelo que haverá lugar às folgas iniciais da prova, cabendo a sorte a Direito e CDUP.

Ambos aproveitam assim para descansar quando pela certa o que mais gostariam seria, nesta madrugadora altura da época, progredir na obtenção de automatismos, ganhar apuro coletivo e adquirir forma, jogando.

CINCO ANOS PERDIDOS NOS SEVENS PORTUGUESES

Afastado do Mundial 2015, em crise financeira e de credibilidade, sem crescimento visível nos escalões seniores, o rugby português começa, aos poucos, a perceber que os sevens podem ser a solução que nos falta para divulgar a modalidade, para lhe dar credibilidade em função dos resultados internacionais que pode conseguir, para permitir a recuperação financeira, porque traz consigo custos mais baixos e pode chamar mais patrocinadores.

E mesmo com cinco anos de atraso - que a concorrência aproveitou para eliminar a vantagem que tínhamos - é sempre tempo para começar a fazer as coisas como deve ser.