5 de maio de 2013

PORTUGAL LUTA POR UM LUGAR NO CIRCUITO MUNDIAL EM 2013-14

RUGBY EM PORTUGAL
São já conhecidos os Grupos da primeira fase do torneio de qualificação de equipas residentes que se realiza no próximo fim de semana em Londres, e que apura três equipas para a época 2013-14.

Depois de uma decepcionante época em que os Linces conseguiram a proeza de não ganhar um único jogo dos segundos dias dos oito torneios em que participaram, e apesar de terem conseguido chegar à disputa da competição principal em três ocasiões, e de terem obtido alguns resultados dignos de registo e que nos enchem de orgulho, a nossa selecção nacional de sevens vai ter que participar nesse torneio de qualificação.

A prova começa com a luta pela classificação do 1º ao 8º lugar, tendo as equipas sido divididas em dois grupos, como pode ver no quadro que apresentamos.


Depois, numa segunda fase as equipas disputam quartos de final e meias finais, que apuram imediatamente os dois vencedores como equipas residentes em 2013-14, e as derrotadas nessas meias finais, disputam entre si a última vaga em aberto.

Como pode ver, Portugal joga na primeira fase com a Rússia, Tonga e Espanha, mas na verdade é nos quartos de final e meias finais que tudo se decide.

Esperemos que os Linces nos ofereçam mais esta alegria, porque com toda a certeza, vai estar uma multidão de portugueses com o coração neste torneio!

Campeã da Europa 2005
A menos de dois meses do Mundial de Sevens, em Moscovo, os resultados alcançados são perturbadores e reflectem a política federativa de considerar os sevens uma segunda prioridade, não lhe tendo sido dada a atenção que deveriam ter tido.

Curiosamente, esta falta de atenção por parte da FPR repete o que aconteceu em 2009, quando a pretexto de uma hipotética classificação para o Mundial de XV - que não aconteceu - se deitaram borda fora as possibilidades de sucesso da equipa de sevens no Mundial que teve lugar no Dubai.

Campeã da Europa 2006
Claro que seria muito bom que o rugby português conseguisse classificar-se para os Mundiais de XV, como se qualifica para os de Sevens, mas o que é incompreensível é que mesmo tendo estado em todos os Mundiais  com excepção do primeiro, não haja uma clara política de desenvolvimento da variante, antes continuando a mesma a ser considerada refugo.

Curiosamente, desde 2009 que os sevens foram integrados no Programa Olímpico, mas parece que em Portugal "isso" continua a ser considerado uma menoridade...

Campeã da Europa 2008
O que está em jogo neste fim de semana ultrapassa a simples integração como equipa residente do Circuito Mundial - na verdade os torneios do Circuito são a verdadeira fábrica de equipas de nível e quem estiver fora deles, aos poucos vai perder capacidade competitiva e o comboio das melhores equipas do Mundo.

Tem-se argumentado muito que nunca antes Portugal tinha conseguido chegar à posição de equipa residente, como se isso justificasse o sequente abandono em que se deixou a equipa - como quem diz fomos nós que conseguimos a qualificação, portanto temos autoridade para a abandonar.

Ora acontece que as duas afirmações são falsas.

Primeiro, porque é falso que Portugal tenha sido equipa residente do Circuito pela primeira vez, e essa afirmação se integra numa estratégia de criação de factos desportivos que a direcção da FPR tem seguido, como se antes dela o rugby nacional fosse um deserto.
Campeã da Europa 2010

Basta consultar o registo que mantemos com todos os jogos dos Linces, para se verificar que na época de 2006-07 Portugal participou de todos os oito torneios que constituíram o Circuito de então.

Portanto, não vale a pena estar a tentar enganar as pessoas com essa afirmação que Portugal foi equipa residente pela primeira vez, porque isso é mentira.

A única diferença entre esta "visita" ao pleno do Circuito e aquela de 2006-07, é que naquela altura essa participação era por convite e agora é necessário participar num torneio de qualificação.

Como aquele em que vamos participar, em Londres, no fim de semana que se avizinha.

E convém esclarecer que, mesmo sem ser equipa residente, Portugal participou em 2008-09 em seis das oito etapas do Circuito, e em 2009-10 participou em cinco das oito, sendo essa a herança, em termos de sevens, que a direcção de Amado da Silva recebeu de mãos beijadas.

Mas se os Linces falharem a qualificação em Londres, dificilmente participarão em mais de um ou dois torneios na época de 2013-14, o que lhes vai retirar qualidade competitiva e afastar ainda mais das melhores equipas do Mundo.

Campeã da Europa 2011
Ou seja, a política de abandono dos sevens verificada desde que Amado da Silva tomou posse, pode levar, já neste fim de semana, ao afundamento da nossa equipa mais representativa, e à destruição de mais um património conquistado ao longo dos anos.

Esperemos que isso não venha acontecer, e que o brio e orgulho dos nossos jogadores seja suficiente para nos manter no restrito grupo das 15 equipas que disputam o Circuito Mundial.

Quanto ao argumento, ou às atitudes que levam à conclusão que, tendo sido com esta direcção que se conseguiu o apuramento como equipa residente do Circuito Mundial, é legítimo que esta direcção deixe cair os sevens nacionais, apenas afirmamos que nem esta, nem nenhuma direcção federativa tem legitimidade para deixar ao abandono uma selecção nacional que conquistou oito títulos de campeã da Europa, e participou em todos os Mundiais desde 1997 - este ano é o quinto campeonato em que participamos.


E a direcção comandada por Amado da Silva deixou a selecção nacional de sevens sem rumo nem governo, num completo abandono - e o resultado está aí.

Pode até ser que se consiga novo apuramento como equipa residente - e nós esperamos ardentemente que sim - que esse facto não vai alterar de modo nenhum esta realidade.

Portugal foi a segunda pior equipa do ano, no Circuito Mundial, e podia e devia ter conseguido ficar entre as 10 melhores, tivesse sido executado um verdadeiro plano de desenvolvimento quantitativo e qualitativo com início em 2010 - após a integração no Programa Olímpico - como se impunha, ou mesmo se tivesse sido dada prioridade a uma equipa que vai disputar um Mundial, um Europeu, disputou um Circuito onde apenas podem estar as melhores equipas do Mundo, e está à beira de disputar um lugar nos Jogos Olímpicos de 2016.

Lamentavelmente a realidade leva-nos a concluir que a política dos actos isolados continua e só terá fim quando uma direcção federativa que se preocupe com os sevens, e tenha deles uma visão nacional, tomar o lugar que é agora ocupado por Amado da Silva.

NOTA: Não colocamos mais fotos da equipa Campeã da Europa porque não tinha mais espaço... lol
Agora a sério, agradecemos que, quem tenha fotos das equipas campeãs de 2002, 2003 e 2004, nos envie uma cópia para o nosso e-mail.

27 comentários:

Anónimo disse...

volta pedro netto, estas perdoado!

Great_Duke disse...

Temos o grupo mais difícil, mas isso também deverá ser fonte de motivação para toda a gente.

Espero lá para as 2 da tarde de Domingo poder ir comer uma bucha descansado...

Vamos lá malta...toca a animar.

Anónimo disse...

Para os que viram os jogos da selecção neste fim-de-semana em Glasgow, só há uma palavra:

V E R G O N H A !

Uma equipa sem alma, sem chama, sem estratégia de jogo, a entrar em campo já derrotada!

Que mais faltará para se ver que o treinador não tem carisma, não sabe motivar os jogadores, não esta preparado para estes vôos nos Sevens?

Acho injusto falar na FPR, pois a Federação nestes tempos confunde-se com o seu Presidente e os outros ou são paus mandados ou não fazem ouvir as suas vozes. Mas, não se desculpem, todos por acção ou omissão ficarão na histório como os responsáveis pelo afundanço do rugby português na vertente internacional.

Se o Presidente, o Sr Morais e o Sr Frederico Sousa querem fazer um favor ao rugby estão estão a tempo: demitam-se.

Anónimo disse...

Esta fase de apuramento também é jogada em Twickenham?

Anónimo disse...

O Pedro Neto sempre pôde voltar apesar de ter sido sempre o adjunto do Mestre. Mas não me parece que o problema se situe aí.

Anónimo disse...

Além do acordo total com o primeiro comentário "Volta Pedro Netto", o que se viu este fim de semana é extremamente preocupante. Jogadores altamente desgastados pela época que fizeram, lá está, Clube, XV e 7´s, sem demonstrarem força e animo para reagirem. Estarei em Londres a apoiar, sem que é um orgulho para todos eles vestirem esta camisola, mas o corpo já não responde.
Força rapazes!!!

Anónimo disse...

Há dois jogadores que pelo seu currículo como jogadores de 7's e estão em final de carreira podem treinar esta equipa muito melhor! Antonio Aguilar e Diogo Mateus!

Anónimo disse...

Possiveis opções: Antonio Aguilar, Diogo Mateus ou o Luis Pisarra

Great_Duke disse...

Os jogos devem ser no segundo relvado onde o ano passado jogaram as miúdas...digo eu, já que não encontrei confirmação em lado nenhum...

Anónimo disse...

Aguilar percebe muito de sevens para além de ter sido um enorme jogador e capitão.

Anónimo disse...

Luis pisarra nunca jogou sevens a este nivel...

Anónimo disse...

Será que o mateus e o aguilar querem deixar de jogar e treinar? para se queimar?

Anónimo disse...

Vem o salvador da patria pq agora o 15 n interessa e os 7s é a principal montra para o Tomaz

Anónimo disse...

Aguilas a treinador... ja esta na altura.

Anónimo disse...

é uma boa opção e já para o mundial. ainda tem um mes e tal para preparar uma equipa competitiva

Anónimo disse...

EWu acho que deve-mos seguir o exemplo do Kenia. Contrataram o ex treinador da Inglaterra e fizeram um programa de profissionalismo com 20 jogadores kenianos. Nao sei qual e o total gasto nisto, mas nao deve andar muito longe do dinheiro que pagam a malta na FPR. Também esta na hora de decidir se xv ou vII, infelizmente nao temos massa (numero) para manter duas equipas competitivas... Longe vao os tempos em que conseguíamos fazer isso, mas o rugby mudou.... O Bessa uma vez disse-me que preferia ser o ultimo dos primeiros do que o primeiro dos últimos. Por isso temos que fazer a decisão rápida, ou temos uma equipa competitiva que luat pelos 1 lugares nas 6 nacoes B, ou temos uma equipa residente na irb que luta pela cup - agora as duas nao da!
seja como for agora vamos a eles
Abraco
Miguel

Anónimo disse...

Quarenta clubes, dos quais menos de 30 competitivos e já temos a cagança de andar lá por cima. Tenhamos juizo. Mesmo a nivel de XV, se não fossem os franco-portugueses, a desgraça era total. Jogar com jogadores de XV, poucos dias depois de eles terem disputado uma final, só nós. A manta é pequena.

Anónimo disse...

finalmente uma critica construtiva com uma boa solução.

O difícil vai ser encontrar um treinador preparado para a realidade portuguesa (amadora e semi-profissional) com crédito e vontade de trabalhar num mundo em tempestade de interesses.

A saída do Errol não foi bem gerida e não deu a melhor imagem lá para fora.

Anónimo disse...

profissionalização?!! mas têm consciência de quando a FPR paga? mas alguém consegue ser profissional com o valor que recebe? quem anda nos VII ou tem a família a fazer de sponsor, ou tem um biscate, ou não tem grandes despesas. Agora garantidamente não consegue ser independente financeiramente com o que recebe.

temos que abrir os olhos, Portugal não tem jogadores em numero suficiente, sponsors em numero suficiente, desporto escolar, clubes em numero suficiente. Quando assim é temos que nos admirar é como é que o Rugby Nacional lá conseguiu chegar e ser selecção residente, isso é que é para admirar, a despromoção é natural porque está a trazer o Rugby Nacional para o seu real patamar.
Ser selecção residente é mais ou menos como o ter ido ao Mundial em 2007, é um feito, e é um feito precisamente porque é um resultado muito acima das nossas possibilidades naturais.

que todos nos preocupemos realmente com o Desporto Escolar, com a formação, com o desenvolvimento dos clubes e do quadro competitivo nacional pois só assim daqui a uns anos podemos, sustentadamente, aspirar a mais.

Manuel Cabral disse...

Great_Duke
de acordo com os horários das duas competições, devem ser jogados no relvado principal as meias finais e o 3º/4º lugar do torneio de qualificação - os jogos que apuram as três novas equipas residentes.
Os restantes jogos deverão ser disputados no outro campo.
Abraço

Anónimo disse...

Boa noite, acho que o treinador indicado
Para os Sevens e o Prof Henrique Rocha o nosso Mourinho

Abraço

Great_Duke disse...

Obrigado Manel. Espero que, como sempre, os nossos rapazes consigam ir buscar forças onde elas já não existem, se encham de brio e nos façam sonhar (mais) uma vez.

Mas que será uma tarefa difícil, lá isso será...

Anónimo disse...

Bem dito. "Ir buscar forças onde elas já não existem". Não vai ser fácil. Mas tenhamos esperanças pelo menos no primeiro dia.

Anónimo disse...

http://www.fpr.pt/ficheiros_site_fpr/imagens/noticias/CONVOCATORIA%20%20-SELE%C3%87%C3%83O%20%20NACIONAL%20SEVENS%20-%20%20Londres%202013.pdf

Nova convocatória.

Great_Duke disse...

Regressos dos veteranos Sebastião e David Mateus. Duarte Moreira também seleccionado.

Saem Tomás Appleton, Martim Bettencourt (entra Pedro Bettencourt), Manuel Murteira e Luís Sousa.

Um grupo com bastante experiência. Esperando que estejam super motivados para fazer um torneio tão importante.

Anónimo disse...

Esta convocatória a ultima, de meia equipa denota um certo desnorte e acima de tudo desespero. Esperamos todos que os resultados sejam positivos, mas tenho muitas duvidas.

João Quintela disse...

Com tudo o que tem acontecido internamente relativo aos SEVENS nos últimos anos, e sem querer ir mais longe, basta ver o que se passou no último Fim de semana com as competições OFICIAIS em Portugal - com falta de informação, atrasos e recuos, torneios que ”sim mas afinal não”, um modelo competitivo claramente feito em cima do joelho, pouca vontade dos clubes em participar – é de estranhar que se diga que a seleção Nacional de Sevens seja uma vergonha! Um grupo que sem rede consegue os resultados dos últimos anos, várias vezes campeã da Europa, qualificação para “Core Team” em 2013, na corrida para qualificação para “Core Team” para 2014 é obra…repito É OBRA.
O pais que somos, onde o Rugby tem cerca de 1843 jogadores SUB21 e Seniores inscritos (deixo de fora as meninas com a devida vénia) – dados de 15Abril 2013 a alcançar tamanhos resultados. É DIGNO DE REGISTO. Tal como foi a qualificação para o Mundial de XV de 2007. E parece-me, mais uma vez, que estamos a deitar fora essas conquistas…
E não me parece que a “culpa” seja exclusivamente da FPR
Não me parece que haja um Plano Geral para o Rugby em Portugal – ou o que há não é levado a sério…a maioria dos clubes vive no seu quintalinho e vai gerindo à sua maneira (e se muitas vezes devem ser louvados pela maneira como trabalham em prol do Rugby, outros haverá que apenas conseguem ver o próprio umbigo).
Cada vez mais vejo, leio e oiço coisas que não se coadunam no tão falado espirito do rugby. Falamos mal de outros desportos mas somos tão maus ou piores que os piores….
Somos mesmo tugas…temos um espirito mesquinho, mesquinho.