13 de outubro de 2013

SOBE O PANO DA PRIMEIRONA E COMEÇA A FESTA DO RUGBY NACIONAL

Venceram os principais favoritos ao sucesso na prova, mas a principal mensagem que a jornada inaugural nos trouxe é que o rugby está vivo e recomenda-se que lhe seja dada a importância que ele merece.

Com sete equipas de fora de Lisboa, a que apenas faz falta uma representando o Norte do País, Évora, Lousã e Caldas marcaram a sua posição e venceram sem margem para dúvidas, numa prova que ganha cada passo a passo, mais importância.


Num dia em que se marcaram 30 ensaios, apenas uma equipa ficou em branco (Agrária) e outra marcou pontos, mas não ensaios (Loulé), e das cinco vencedoras uma apenas não registou o bónus de ataque (Vit.Setúbal), enquanto das derrotadas apenas o Santarém conseguiu o tal pontinho extra.


O São Miguel teve uma tarefa difícil, ao defrontar o segundo classificado do campeonato 2012-13, já que este era o seu jogo de estreia na Primeirona, tendo sido promovido como vice campeão da Segundona e beneficiando do alargamento que se registou.
No entanto, os bulldogs tiveram um excelente comportamento, e a derrota nada significa em termos duma prova que se vai prolongar por 18 jornadas, e basta dar uma olhadela nos resultados do Évora em casa no ano passado, para melhor avaliarmos o comportamento dos novos primodivisionários.
Quanto aos chaparros parecem apostados em manter a sua posição de candidatos ao título, e os seis ensaios marcados, que garantiram o bónus ofensivo à equipa da casa, são prova de um forte pendor ofensivo.


A visita ao Algarve da Lousã era esperada com dupla curiosidade, já que na época passada, apesar da vitória dos visitantes por 11-16, os louletanos tinham dado mostras de serem capazes de opor grande resistência aos serranos, mesmo que estes pertençam quase sempre ao grupo dos que discutem a fase final, e o Loulé tenha beneficiado do alargamento da Divisão de Honra, para subir à Primeirona.
Este ano, as duas equipas deram especial atenção à sua preparação para o campeonato, a que se junta o facto de ambas apresentarem equipas B's em competição, o que obrigou os viajantes  a levarem uma comitiva constituída de 43 jogadores, o que acreditamos não tenha acontecido muitas vezes no passado, e é uma clara indicação do interesse e mobilização que anda lá para os lados do burgo...
O jogo acabou por pender claramente para a Lousã, que se confirma como um dos candidatos à discussão do título, enquanto fica por confirmar a evolução do Loulé, perante adversários mais acessíveis.


O Vitória de Setúbal ascendeu à Primeirona em 2007-08, e desde então apenas conseguiu integrar os grupo dos finalistas em 2008-09 e no ano passado, completando assim o lote das equipas que obtiveram os melhores lugares na tabela, juntamente com o Évora e a Lousã.
No entanto, e apesar do Santarém ter ficado na sétima posição final da época passada, os embates entre as duas equipas foram sempre de grande intensidade e equilíbrio, com vitórias do Vitória, mas sempre com ponto de bónus dos cavaleiros.
E essa acabou por ser a história do encontro deste fim de semana, com o Vitória a vencer de novo, e o Santarém a facturar o habitual bónus defensivo...


Era o encontro mais esperado do fim de semana, e os adeptos das duas equipas que se deslocaram ao Estádio Universitário, e que acrescentaram cor e alegria ao momento, não vieram de lá desiludidos.
O jogo foi bem disputado, teve duas partes distintas, com o Caldas a dominar o primeiro tempo e a chegar ao intervalo a vencer por 20-3 com alguma facilidade.
Os leões reagiram e assumiram o controlo do jogo no segundo tempo, mas alguns erros cometidos deram aos pelicanos as oportunidades de que necessitaram para marcar mais 21 pontos e concederem apenas um ensaio.
O Sporting, que deu os seus primeiros passos na Primeirona, demonstrou que está na divisão para lutar pelos lugares do play-off, precisando apenas de tempo para crescer...
E o Caldas de quem tanto se tem falado, muito especialmente pelo empurrão que o seu patrocinador, a Groundlink, tem dado na formação de uma equipa de grande valor competitivo, acabou por confirmar que este ano não vai ficar fora do play-off final - este ano à la Divisão de Honra a ser disputado por seis equipas -
mesmo que os seus dirigentes não assumam a intenção da equipa de subir de divisão este ano...
Uma última palavra para as duas numerosas claques, que souberam apoiar as suas equipas, sem perder a noção de que se trata de um momento de alegria e não de crispação! Parabéns também por isso.


Depois duma época em que perdeu todos os jogos que disputou no campeonato nacional da Divisão de Honra, e de ter sofrido o correspondente rebaixamento, o Benfica começou a época na Primeirona da melhor maneira, perante um
adversário que demonstrou menos experiência e estar ainda um pouco longe do ritmo que a prova exige.
Esta foi com toda a certeza a vitória mais desejada de sempre pelos pupilos de José Mendes, que podem encontrar nela a força de que necessitavam para a completa recuperação da equipa.
Quanto à Agrária, que foi salva do rebaixamento pelo alargamento da Primeirona, vai ter que encontrar maneira de conseguir entrar no ritmo da divisão, sob risco de se deixar afundar na classificação desde muito cedo.
Mas não se tirem conclusões precipitadas deste resultado, não deixando que as tropas sejam atacadas nem de euforia, nem de desânimo, dependendo da sua cor, pois em 18 jornadas vai haver muito tempo para ver tudo mudar...


Fotos: Aguinaldo Vera-Cruz e António Simões dos Santos

9 comentários:

Anónimo disse...

Grande ambiente com as Claques do Sporting e Caldas, melhor que muitos da divisao de honra!!!
Bom jogo com o Caldas a entrar devastador. Sporting equilibrou na 2a parte e aproveitou os 14 homens do Caldas mas traduziu se em apenas 1 ensaio acabando a 2ª parte com o dominio do Caldas de novo.
Caldas apresenta se com um rugby interessante com defesa dura e boas combinacoes, faltando David Mateus e Frederico Vasconcelos que marcaram a diferença.
Sporting com garra mas tecncicamente dependente de 1 ou 2 jogadores e sem real fio de jogo, mas uma equipa muito aguerrida.

DP disse...

O Benfica não é claramente candidato à subida pelo rugby praticado e que demonstra ainda que se não fosse a ajuda excelente dos seus jogadores (vários) veteranos, as coisas podiam estar muito piores. É de saudar o regresso às vitorias oficiais do Benfica que a seu tempo aprenderá e crescerá para daqui a uns anos ter a estabilidade suficiente para "atacar" a subida à divisão de Honra. Até lá faz jogar ex-sub 18 e atletas sem "escola" de rugby nas formações.

Anónimo disse...

Excelente atitude dos adeptos no jogo do Caldas Sporting. O Caldas pareceu Me ser muito mais equipa e ter um jogo mais organizado enquanto que o Sporting ainda baseia muito o seu jogo na qualidade dos seus dois melhores jogadores: Batata e Formigal, dois ex jogadores do direito que acrescentam muito a equipa.

Anónimo disse...

Alem do David e do Frederico Vasconcelos, o Groundlink Caldas não fez alinhar o Nuno Pires um jogaor Luso-Sul Africano que foram descobrir a Inglaterra. Um Pilar extremamente móvel e com a escola sul africana, é de fato uma pena o Seleccionador Nacional "não ter tempo" para observar os jogos de rugby que existem em Portugal, talvez tivesse algumas surpresas e poupasse uns cobres em viagens a França.

Anónimo disse...

Foi muito bom ver séniores do CDUL, do Técnico e do Direito a ver o jogo. Foi interessante ver gente da FPR a ver o jogo, foi interessante ver muita gente conhecida do Rugby a ver o jogo. A assistência ajudou também a dignificar o espectáculo.

As claques foram espectaculares, aqueles que diziam que o Sporting ia trazer para o Rugby os maus hábitos do futebol estão muito enganados, a claque do Sporting e também a do Caldas dignificaram o espectáculo e foram um exemplo.

Parece-me que em definitivo a Prieira Divisão este ano vai estar mais próxima do "olhares" dos amantes do Rugby e vai ser vista menos de lado. Para isto contribui, em muito, o MdM pela divulgação que faz.

Apenas um reparo que em nada mancha o comportamento exemplar do Sporting mas o elemento que fazia de bandeirinha devia ter evitado "picar" os apoiantes do Caldas, foi o único elemento que não esteve á altura do grande clube que representa.

Elisabete Martins disse...

Parece-me que no comentário final, existe alguém a querer "picar" que não o bandeirinha. Parece-me que está a ajuizar mal ou viu alguma coisa diferente do que realmente aconteceu, sem qualquer falta de respeito ou educação, mas sim divergências de opinião sobre um lance normal e nada mais que isso. Não me pareceu que qualquer dos envolvidos tenha dado a importância que aqui se quer fazer demonstrar.

Anónimo disse...

Curiosa a capacidade do Santarém, com uma equipa bastante diferente da equipa dos últimos anos, muita malta nova, arriscaria a dizer que uma boa parte da equipa são jogadores com menos de vinte anos. Se pensavam que este Santarém se apresentaria fraco, bems e enganaram, com a malta de Setúbal a ter que suar a bem suar para levar a partida de vencida.

O próximo fim-de-semana vai ser complicado para mim, agora no clube do meu coração, diante de um emblema que conheço bastante bem. Espero que o Santarém esteja na sua máxima força (acredito que sim) e que o jogo seja um grande espectáculo. Preferencialmente, que o Sporting ganhe.

Um abraço e saudações rugbysticas.

Anónimo disse...

Bom jogo o do Caldas mas nao nos podemos esquecer que para alem de garra a equipa do Sporting nao tem muiito mais.
Os jogos contra o Benfica, Lousa e Evora e que servirao para ver o que a equipa vale, se temos uma equipa SUPER ou nao.

Groundlink Caldas sempre!

Anónimo disse...

alguém me pode explicar como é que o SLB com 14 jogadores inscritos na FPR se pode apresentar na competição? para uma equipa ser admitida não é necessário ter pelo menos 15 jogadores?