3 de janeiro de 2013

PRIMEIRONA NO REGRESSO DO ANO NOVO

Jogada de princípio de ano, no regresso do Ano Novo, com suas particularidades e excessos, traz dois jogos interessantes de seguir, que podem ir arrumando a casa.

O primeiro disputa-se nas Caldas da Rainha, e o outro no Algarve, enquanto os dois primeiros da tabela não deverão ter dificuldades nos embates que os esperam.


CALDAS - SANTARÉM
Caldas da Rainha, Sábado, 15 horas
Embate pleno de interesse, entre duas equipas que vão disputar a permanência na Primeirona até ao último minuto da prova, já que a miragem do quarto lugar está cada vez mais distante para qualquer delas.
O Santarém parte em desvantagem, já que não podendo apresentar campo próprio para a realização dos jogos que seria suposto jogar em casa, disputa o segundo jogo da época contra o Caldas novamente nas casa do adversário, e isto entre equipas do mesmo nível, e com as mesmas ambições, pode ter consequências determinantes na tabela classificativa.
Na primeira volta os cavaleiros estiveram bem, aproveitaram um fraco início de época dos caldenses, e venceram o jogo, o que não será fácil de repetir, já que o Caldas parece  mais forte, tendo conseguido ultrapassar aquele fraco início, e sabe da importância psicológica do encontro.
Em termos de classificação este jogo não tem grande significado, já que esta fase da Primeirona se limita a definir quem vai discutir o título e a subida de divisão, ou quem vai lutar pela permanência, tentando evitar a descida à Segundona.
E as duas equipas parecem condenadas à luta pela permanência.


MONTEMOR - SETÚBAL
Frigideira, Sábado, 16 horas
Na Frigideira os muflões recebem o Setúbal, mas não devem ter dificuldade em vencer a partida, mantendo o ataque ao primeiro lugar da tabela, quando ainda têm um jogo por realizar.
Os setubalenses terminaram o ano em alta, com uma importante vitória sobre o Caldas, e pontuar no jogo deste fim de semana seria uma bela prenda de Ano Novo.
Mas isso não será fácil, tendo em conta o poder ofensivo do Montemor, e a sua resistência defensiva, mesmo tendo em atenção que os alentejanos não encerraram o ano da melhor maneira, ao perderem na Lousã.

LOULÉ - LOUSÃ
Loulé, domingo, 13 horas
Perigosa viagem dos serranos a terras de Al-gharb que precisam ainda de amealhar tudo o que puderem, por forma a equilibrarem a sua pontuação com os pontos deduzidos por castigo federativo.
A questão no entanto não é fácil de resolver, já que os louletanos vão ganhando experiência e ambição, e ainda estão com um olho no assalto ao quarto posto, que os libertaria da tensão duma segunda fase ameaçados pela luta pela sobrevivência.
Será com certeza um embate duro e sem trégua nos 80 minutos de jogo, em que a pontaria dos seus chutadores pode acabar por ter uma palavra final a dizer.
Neste particular notamos que o Loulé ainda não parece ter decidido indicar um chutador prioritário para a equipa, já que dos 13 pontapés a que teve direito - 10 transformações e três penalidades - apenas dois foram marcados pelo mesmo jogador, Nelson Gomes, ficando os restantes 11 distribuídos por outros tantos companheiros de equipa...
E isso dá uma vantagem específica à Lousã, que pode aproveitar o bom momento de João Bonny (nove  pontapés bem sucedidos), ou à regularidade de Francisco Reis (11 acertos entre os postes).
Também o embate dos avançados deve criar situações de grande interesse, já que o maior poder das duas equipas se situa precisamente nesse sector, com Casper Lotter e Lean Stoop, pelos lousanenses, e Julien Madeira e Hugo Rodrigues, pelo lado dos algarvios, a comandarem as operações.
Alguma vantagem no plano da teoria, não afasta o perigo da área da Lousã, podendo mesmo os sulistas revidar e conquistar pontos na refrega.

AGRÁRIA - ÉVORA
Escola Agrária, domingo, 15 horas
Os charruas não jogaram na última jornada de 2012, ficando com esse importante embate com o Santarém por realizar, mas na semana anterior tinham ido a Loulé sofrer uma pesada derrota, que não estaria na ideia do mais ousado comentador, já que se aguarda, semana a semana, que os conimbricenses consigam levantar-se e mostrar aquilo de que são - realmente - capazes.
Bem sabemos que, se estiver assumido que o objectivo é a luta pela permanência, esta fase da prova não tem assim tanta importância, mas o que começa a estar em causa é se a equipa tem ou não potencial para frequentar esta divisão do rugby nacional, como os resultados dos anos anteriores na Segundona, deram a entender.
Claro que o jogo com os líderes da prova não é a melhor altura para reverter o quadro, mas pode-se exigir, isso sim, uma organização defensiva que consiga manter o resultado em números normais, que permita mesmo imaginar que a base da equipa está sendo preparada para voos mais altos - será desta que a equipa consegue um ponto de bónus?
Os chaparros não vão ter dificuldade em vencer, e devem mesmo conseguir o ponto de bónus ofensivo, que já averbaram em cinco ocasiões, mantendo o comando isolado da tabela, pelo menos até que o Montemor realize o jogo que tem em atraso.

Foto: Rui Costa

6 comentários:

Anónimo disse...

o lean é 15/2º centro e nao avançado. fica a correcçao

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Onde anda o Santarém a treinar, sendo que não tem campo há tanto tempo?

Abraço,
Marco Silva

Jonas Stilwell disse...

o problema do Santarém com o campo tem, em grande parte, a ver com a câmara de Santarém, que em nada ajuda o clube - pelo contrário - com muita pena minha e decerto de todos os amantes de rugby.

abraços

Anónimo disse...

o Santarém teve 2 ensaios e 1 penalidade.

abraços

Anónimo disse...

impressão minha ou o santarém ontem jogou com uma equipa ''secundária''? alguém sabe a razão?