2 de janeiro de 2013

CDUL, O REGRESSO DO VELHO SENHOR

Os jogadores do CDUL, do escalão de sub-21, que venceram o Campeonato Nacional pela segunda vez em 2011/12, ainda não eram nascidos quando a equipa principal do clube que representam ganhou o último dos 17 títulos nacionais que acumulava, antes de vencerem a Divisão de Honra na época passada.

Na verdade, os Universitários de Lisboa, venceram cinco em cada 10 campeonatos, desde que o mesmo começou a ser disputado em 1958/59, isto durante três décadas, e começaram a quarta década da melhor forma, vencendo os dois primeiros.


Mas ficaram por aí, e tiveram de esperar 21 anos para registarem mais um título no seu brilhante palmarés.

Vejam a lista dos campeões aqui

No entanto é curioso verificar que o CDUL, desde 2007/08, ou seja, depois do Mundial de 2007, conseguiu sempre ter as suas equipas de seniores e de sub-20 ou sub-21, entre os primeiros quatro classificados nos respectivos campeonatos.

E quando em 2010/11 venceu o Nacional de sub-21, o CDUL dava um sério aviso à navegação, dizendo que iria atacar o primeiro lugar do Nacional mais importante.

E foi o que aconteceu, vencendo não só a Divisão de Honra, mas repetindo o êxito conseguido nos sub-21 na época anterior.

Quanto à equipa senior, convém destacar que desde 2006/07 ficou quatro vezes na terceira posição, uma vez na quarta posição, e, finalmente na época transata, chegou ao primeiro lugar -  - confira aqui.

Estas vitórias do CDUL trouxeram consigo um outro regresso, que tem que ser devidamente valorizado, apesar de ter recebido a oposição clara de alguns, mais preocupados nos seus projetos pessoais, que no interesse do rugby português.

Falamos da Taça Ibérica, que durante muitas décadas foi uma prova de referência na Península, e que desapareceu em 2006/07, depois de realizada a sua 32ª edição.

A prova que foi disputada nos escalões Seniores e Juniores, não resistiu à evolução sentida em todas as áreas do rugby em todos os cantos do mundo, com a transição amadorismo/profissionalismo, e às ambições que esse salto fez despertar, um pouco por todo o lado.

A iniciativa que o CDUL lançou no ano passado com a organização da Taça Ibérica de sub-21, em acordo particular com o Ciências de Sevilha, e que acabou por vencer por 17-14 na capital da Andaluzia, não despertou o interesse de nenhuma das Federações Ibéricas, e, um ano depois, de novo sem o apoio das Federações Nacionais, os campeões dos dois países resolveram avançar com a organização da Taça Ibérica de seniores.

O encontro é de grande interesse, como seria desejável que as Federações de Espanha e de Portugal se interessassem francamente no regresso definitivo da prova, que além do mais é uma das raras oportunidades que os clubes portugueses têm de ver o seu isolamento internacional quebrado.

Porque mesmo tendo sido anunciado há um ano pelo presidente da FPR o regresso das equipas portuguesas à disputa da Amlin Challenge Cup, a verdade é que isso não veio a verificar-se, e o rugby português, apenas através das seleções nacionais tem tido relações além fronteiras.

Assim, o CDUL e o VRAC - o campeão espanhol -  põem o dedo na ferida e mostram aos orgãos dirigentes por onde os clubes querem ir.

Esperamos que a iniciativa do CDUL tenha seguimento, e reabra as portas de um mais que necessário contato entre os melhores clubes portugueses e espanhóis - a deixa está dada, espera-se que as Federações correspondam à vontade dos clubes!

4 comentários:

Anónimo disse...

Enquanto a F.P.R. continuar apenas preocupada com as seleções o nosso rugby muito pouco vai evoluir. Basta ver o destaque dado na Sportv à nossa modalidade pelo Sr. Aguilar. Falou 20'' do campeonato nacional, onde apenas referiu quem foi o vencedor do CN e Taça e falar o resto do tempo das seleções. Enfim é o que temos e é por atitudes mesquinhas e pequeninas de quem gere o Rugby nacional que não conseguimos melhorar o nosso nível, mesmo recorrendo a "portugueses" argentinos e franceses.

Ou o nosso CN melhora bastante e fazemos evoluir os nosso jovens atletas ou as seleções também não passarão disto.

Abraços e um excelente 2013 para todos

PEdro Silva

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
Anónimo disse...

Infelizmente esta iniciativa teve que partir única e exclusivamente dos clubes porque a FPR em nada ajudou. Para variar a única coisa que move a FPR são as seleções. Os clubes são algo de muito pouca importância.

Tristeza

Pedro Silva

Anónimo disse...

Pedro Silva,

como se vê está muito transtornado com esta direcção da FPR. Avance!

Não se pode acusar a FPR de não organizar a taça ibérica, pois para tal são precisas as 2 federações e nos 2 ultimos anos a Espanhola não quis. Ao que se sabe teve cá agora o Presidente espanhol ppq das competições ibéricas... Já agora a última Taça Ibérica quem a realizou...? ah foi o agora Presidente da FPR.