6 de setembro de 2016

PROCESSO EUROPEU DE QUALIFICAÇÃO PARA O MUNDIAL 2019

A qualificação europeia para o Mundial 2019 no Japão vai acontecer com base no comportamento das equipas do continente nas competições da Europe Rugby que decorrem na época 2016-2017.

Assim, todas as equipas europeias podem chegar ao Mundial, embora apenas uma tenha assegurado o acesso directo - todas as restantes apenas lá poderão chegar através do sistema de repescagem, em confronto com outras equipas apuradas para o mesmo estágio, de outros continentes.


Claro está que não falamos aqui das equipas que conseguiram o apuramento através da sua classificação no Mundial 2015, e que no caso da Europa são sete - as seis do 6 Nações  a que desta vez se juntou a Geórgia.

Vamos então ver como decorrerá o processo, fase por fase, sabendo ainda que as equipas da Divisão de Desenvolvimento da Europe Rugby não participam da prova, e que são a Bielorússia, Bulgária, Eslováquia e Montenegro.



1ª FASE
Os vencedores das duas regiões (Norte e Sul) da Conferência 2 da época 2016-17, jogam entre si, e o vencedor desta fase avança para a 2ª Fase.
(10 equipas envolvidas no apuramento da Conferência 2: Norte - Dinamarca, Estónia, Finlândia, Hungria e Noruega. Sul - Áustria, Bósnia & Herzegovina, Eslovénia, Sérvia e Turquia)

2ª FASE
O apurado da 1ª Fase vai defrontar o vencedor da Conferência 1 da época 2016-17, e o vencedor deste encontro avança para a 3ª Fase.
(10 equipas envolvidas no apuramento da Conferência 1: Norte - Letónia, Lituânia, Luxemburgo, República Checa e Suécia. Sul - Andorra, Chipre, Croácia, Israel e Malta)

3ª FASE
O apurado da 2ª Fase defronta o vencedor do Rugby Europe Trophy da época 2016-17 (divisão em que se encontra Portugal) e o vencedor do encontro avança para a 5ª Fase.
(6 envolvidos no apuramento do Rugby Europe Trophy: Holanda, Moldávia, Polónia, Portugal, Suiça e Ucrânia)

4ª FASE
O vencedor do Rugby Europe Championship (ou o segundo classificado se o vencedor for a Geórgia) avança directamente para o Mundial 2019, como Europa 1, enquanto o segundo classificado (não contando com a Geórgia) avança para a 5ª Fase.
(5 envolvidas no apuramento do Rugby Europe Championship: Alemanha, Bélgica, Espanha, Roménia e Rússia. A Geórgia disputa a prova, mas não conta para o apuramento)

5ª FASE
O apurado da 3ª Fase defronta o segundo classificado do Rugby Europe Championship (confira 4ª Fase), e o vencedor deste encontro avança para um play-off a duas mãos com o terceiro classificado da fase de apuramento da Oceania.

PLAY OFF EUROPA/OCEANIA
O vencedor deste play-off tem acesso directo ao Mundial 2019. O vencido deste play-off avança para a Repescagem Mundial.

REPESCAGEM MUNDIAL
Apura o último qualificado para o Mundial 2019, entre as quatro equipas indicadas, no sistema de todas contra todas.:
1- derrotada do play-off Europa/Oceania;
1- derrotada da eliminatória entre a derrotada do jogo Canadá-Estados Unidos e a melhor Sul-americana;
1- segunda classificada da Rugby Africa Championship
1- vencedor de uma eliminatória entre o melhor da Asian Rugby Championship (excluído o Japão) e o vencedor da Oceania Cup.

Em resumo, das 31 equipas europeias envolvidas apenas uma tem o Mundial garantido, e uma segunda equipa pode ou não ser apurada.

7 comentários:

Leo Leo disse...

Portugal terá de contar com os seus melhores jogadores (de Portugal ou de fora) e preparando ao mesmo tempo o futuro como a jovems (Cedric Gomes, Pedro Bettencourt, Thomas Ramos, etc...) para conseguir o apuramento que será difícil.
Forca Lobos.

Alguém sabe si a SportTV continuará a transmitir os jogos de Portugal ?

sailo disse...

Portugal tem que começar a desenvolver as bases do rugby, expandindo o numero de clubes e aumentando o nível global do seu ruvby e só depois perder tempo e dinheiro a pensar em mundiais.
Se a estratégia não for esta o rugby em Portugal está condenado ao "gueto" e a definhar. Com imaginação existem outras formas mais eficazes de vermos bom rugby em Portugal.

Duarte disse...

De acordo com o site da WR, parece-me que o REC que contará para a qualificação será o de 2017/18.

Se assim for, isso, em teoria, poderia levar a situações muito estranhas como, por exemplo, um jogo de qualificação para a Taça do Mundo entre Portugal (eventual vencedor do Trophy 2016/17, da promoção / despromoção contra o último do REC 2016/17 e do(s) jogo(s) de qualificação contra a selecção vinda dos escalões mais abaixo) e... Portugal (improvável, mas não impossível, 2º classificado no REC de 2017/18).

Se como for, se Portugal for disputar o Trophy com um selecção semelhante à da época passada, qualquer lugar entre o 1º e o 4º é possível. Não tenho a certeza que na FPR estejam conscientes disto.

Duarte disse...

Caro sailo,

Com bons resultados na selecção, não se perde dinheiro. É ao contrário: ganhasse muitíssimo dinheiro

E, ao contrário do que muita gente pensa, boa parte desse dinheiro é para ser usado na formação e no desenvolvimento. Isto não é a minha opinião. São factos.

Manuel Cabral disse...

Caro Duarte, não sei em que se baseia para chegar à conclusão que o Europeu que conta para a qualificação seja o de 2017-18.
Pelo meu lado não encontrei nenhuma indicação expressa ou implícita de que assim seja.
Pelo contrário, a haver alguma indicação seria com base na informação de que a equipa da Oceania que defrontará o apurado Europeu da 3ª Fase será encontrada na edição de 2016-17 da Pacific Nations Cup, embora nunca, que eu tenha conhecimento, a World Rugby diga em que Europeu será baseada a escolha das equipas europeias.

"...Two Oceania qualifiers: Two teams to qualify for RWC 2019 from a Pacific Nations Cup played on a home and away basis over June 2016 and 2017 – Oceania 1 and 2.

One Europe/Oceania play-off qualifier: The third place team from the Pacific Nations Cup will play a home and away play-off with the second-ranked team in the Rugby Europe Championship (excluding Georgia) with the winner on aggregate qualifying for RWC 2019..."
Cf: http://www.rugbyworldcup.com/qualifying/process

Duarte disse...

Caro Manuel,

Eu escrevi 'parece-me' porque continuo a achar isto tudo um bocado confuso.

Mas, no quadro desta página do site da WR, se reparar bem, verá umas linhas verticais (mal se conseguem ver, é verdade) a separar os anos civis. Segundo esse quadro, o REC que conta para a qualificação é o de 2018, ou seja, o da época 2017/18.

http://www.rugbyworldcup.com/qualifying/europe/bracket

sailo disse...

Quanto aos factos de investir na selecçao da muito dinheiro, permita-me que discorde, gasta-se dinheiro. Os jogadores que amiúde aqui são falados como eventuais elegiveis não teem qualquer relação com Portugal ç, aposto que muitos nem português falam e so querem jogar por Portugal porque não são suficientemente bons para jogar por França, e com jogadores deste que vai ccriar empatia e dinamismo nos jovens em Portugal? Nao me parece. Será que estes tão afamados jogadores estarão sempre disponíveis para jogar por Portugal sem receberem dinheiro? Nao me parece, acontecera novamente o que já aconteceu no passado, inventando lesões e desculpando-se com os clubes.
O rugby em Portugal tem que se focar na expansão do número de clubes e numa maior dispersão geográfica. Tem que se focar em conseguir uma maior visibilidade e divulgação e isso faz-se com pequenos eventos a escala regional e com alguns grandes eventos a nível nacional, faz-se criando estórias a volta do rugby.
Finalmente devemos assumir que o rugby é e será nos próximos anos totalmente amador e isso faz com que a maioria dos jogadores, por muito bons que sejam, aos 25 ou 26 anos deixem de jogar rugby, ou seja antes de atibgirem a sua plenitude como jogadores. Esta é a verdade que todos devemos aceitar e que torna estes sonhos de selecção meros devaneios sem consequências porque a realidade não é compatível.