17 de abril de 2017

LIONS PREPARAM-SE PARA VIAGEM A NOVA ZELÂNDIA *

* Eládio Ribeiro
A atenção da imprensa inglesa volta-se agora para o tour dos Lions à Nova Zelândia e a “maldição” dos capitães ingleses parece ser cada vez mais real com Dylan Hartley a ter de puxar dos galões para que a sua ida á Nova Zelândia seja real e que sobre ele não recaia a maldição, á semelhança do que aconteceu com Chris Robshaw em 2013, que não foi convocado para o Tour á Austrália quando capitaneava a seleção inglesa treinada por Stuart Lancaster, e em 2009 com Steve Borthwick a falhar a ida á Africa do Sul com Sir Ian McGeechan a deixar o segunda linha em Inglaterra.
Dylan Hartley que enfrenta uma concorrência feroz na posição de talonador movida por Jamie George, tem ainda mais oposição quando olhado o panorama das Home Nations, com jogadores como Rory Best, Scott Baldwin ou ate Ross Ford a disputarem o lugar com o numero dois inglês.
A aliar a esse facto não ajuda que o capitão inglês tenha jogado durante o Seis Nações 2017 uma média de 55 minutos por partida, o que Gatland só poderá interpretar como falta de condição física do jogador.

Quem deve ter um bilhete de ida, e se calhar até lugar no XV de início deverá ser o terceira linha irlandês CJ Stander que poderá ser um trunfo dado a sua resistência, força e sobretudo a polivalência de poder jogar em mais de uma posição na back row sem perder impacto ou fulgor.
Combinando com jogadores como Ross Moriarty, Justin Tipuric, James Haskell, Billy Vunipola, Sam Warburton, Jamie Heaslip, Taulupe Faletau, Maro Itoje ou Nathan Hughes esta poderá ser uma terceira linha que dará muita luta à terceira linha neozelandesa. 
A verdade é que Gatland terá problemas nas escolhas, mais pelos que deixará em terra, tamanha é a oferta de jogadores de classe mundial. 
Na escolha de terceiras linhas parece quase certo que Chris Robshaw sera mais uma vez preterido nas escolhas de Gatland, o que será uma pequena injustiça dada a forma que o jogador tem revelado, como no jogo do último fim-de-semana onde apenas nos 30 primeiros minutos Robshaw já contava com 10 placagens e 2 roubos de bola, terminando o jogo com 22 placagens, sendo o mais placador do jogo, em conjunto com Jack Yeandle dos Chiefs.
Para a braçadeira de capitão já aqui falámos no passado das probabilidades dadas pelas casas de apostas e da imprensa inglesa que põe Sam Warburton, Alun Wyn Jones e Rory Best como os jogadores mais bem posicionados para ocuparem este cargo. 
A imprensa galesa, no entanto, dá conta que o facto de Sam Warburton ter acabado o seu período de capitão com a seleção galesa sem que nada o fizesse esperar, como um ponto negativo que certamente pesará na mente de Gatland.
Na Irlanda os jornais locais advogam que Rory Best será mesmo a melhor escolha para Gatland, dando como pontos positivos a experiência do talonador, capitão da equipa regional do Ulster e da seleção irlandesa.  
Best, de acordo com os argumentos irlandeses foi o único que capitaneou uma equipa que bateu os All Blacks desde o Mudial de 2015, e um jogador com um espírito edgy que não se deixará intimidar pelo ambiente hostil que os espera na Nova Zelândia.



Com Warren Gatland a anunciar a equipa que deverá seguir para estágio e depois para o hemisfério sul em menos de 48 horas, os últimos jogos de clubes poderão ter sido o factor decisivo entre as varias (boas) dúvidas que este 6 Nações proporcionou.
Na imprensa especializada não faltam opiniões sobre os selecionados por Gatland e sobretudo qual sera o XV inicial do tão aguardado primeiro test-match e por isso mesmo decidi também eu deixar-vos com a minha modesta opinião enquanto amante de rugby.
A minha aposta para um XV inicial e banco dos Lions teria o seguinte alinhamento 15-Hogg (Esc) 14-North (Gal) 13- Joseph (Ing) 12-Farrell (Ing) 11- Daly (Ing) 10- Sexton (Irl) 9- Murray (Irl) 1- McGrath (Irl) 2- George (Ing) 3- Furlong (Irl) 4- Jones (Gal) 5- J Gray (Esc) 6- Stander (Irl) 7- Tipuric (Gal) 8- Vunipola (Ing)
16- Best (Irl) 17- M Vunipola (Ing) 18- Cole (Ing) 19- Launchbury (Ing) 20-Itoje (Ing) 21- Webb (Gal) 22- Henshaw (Irl) 23- Zebo (Irl)
Na minha aposta, Inglaterra coloca 9 homens entre os 23 escolhidos, com Irlanda a ter 8 jogadores convocados, Gales emprestaria 4 homens e Escócia contribuiria com 2, ambos no XV inicial. 
No banco a minha opção vai para jogadores polivalentes como Zebo que pode jogar em qualquer posição do três de trás e com Itoje que pode saltar para a segunda ou terceira linha, o que aliado á polivalência de CJ Stander poderá dar ao XV dos Lions varias configurações.

Na minha escolha tive o cuidado de manter “rotinas de jogo” com o par de médios inicial e o par de centros inicial a serem habituais colegas de seleção o que traz óbvias familiaridades que serão muito necessárias.
O cínico em mim diz-me que o numero de galeses que escolhi será talvez um pouco baixo, e se tivermos em conta o tour de 2013, Gatland prefere trabalhar com jogadores com quem está habituado a trabalhar na sua seleção.
No meu banco também não escolhi nenhum numero 10, recorrendo a formula de Eddie Jones e recuando durante o jogo Farrell para essa posição com Henshaw a cobrir a sua posição de primeiro centro. 
A escolha de Daly a titular prende-se com a sua versatilidade, podendo colocá-lo tanto a segundo centro como até a defesa, para alem da sua capacidade de chutar aos postes que pode ser bastante útil em jogos mais fechados.

Por favor digam de vossa justiça e qual seria o 23 que escolheriam para começar o primeiro test-match dos Lions 2017.


3 comentários:

Ricardo Mouro disse...

M Vunipola
Best
Furlong
Itoje
AW Jones
Stander
Warburton
B Vunipola
Murray
Sexton
North
Henshaw
Joseph
Liam Williams
Hogg

João Quintela disse...

1.Mcgrath
2.Best
3.Cole
4.Launcburry
5.Lawe,
6.Tipuric
7.Stander
8.Vunipola

9.Murray
10 Sexton
11.North
12.Farrell
13.joseph
14.Seymore
15 Hogg

PaddyG disse...

Bem, agora que já sabemos mesmo quem foi convocado, o que acham dos 41 chamados para ir a NZ?
Fico particularmente feliz de ver o JJ e Nowell, Daly e Williams na lista. Assim temos inteligência e arte além da massa física, o que não é o normal do Gatland. Será que Hartley vai fazer falta em termos de liderança?...
Queria ver Farrell a jogar a 12 em vez de 10... Vamos ver.