7 de maio de 2016

DIREITO VENCE DH E REAFIRMA SEU DOMÍNIO DO RUGBY NACIONAL

Vencendo o CDUL por 11-6 na final da Divisão de Honra, disputada no Estádio Universitário de Lisboa, o Grupo Desportivo de Direito faz o pleno das competições seniores disputadas esta época em Portugal, com vitórias sucessivas na Super Taça, frente ao CDUL por 19-7, na Taça Ibérica, frente ao VRAC por 22-12, na Taça de Portugal, frente a Agronomia por 30-12.

Para juntar a esta inegável superioridade, Direito sagrou-se hoje também campeão nacional do Sub-escalão Sénior, derrotando na final o CDUP por 16-12, enquanto as suas equipas de sub-18 e de sub-16 disputam as fases finais para apuramento dos respectivos campeões nacionais...


Hoje no Universitário as condições climatéricas prejudicaram claramente a qualidade do jogo,que registava ao intervalo um resultado já favorável ao Direito de 8-3, e que na segunda parte apenas viu acontecerem duas penalidades transformadas, uma para cada lado.

Esta foi a 11ª vitória do Direito na prova, atrás do seu adversário de hoje que soma 19 títulos nacionais.

A história do rugby sénior nacional está claramente dividido em períodos de 20 anos, sendo que o CDUL dominou claramente o primeiro desses períodos, vencendo 10 dos 20 campeonatos realizados entre 1958-59 e 1977-78.
Nesse período o Benfica venceu o Nacional por cinco vezes, o Belenenses por quatro e a Académica venceu uma vez.

No segundo período de 20 anos - entre 1978-79 e 1997-98 - o CDUL ainda foi a equipa que mais vitórias registou - sete - e surgem no panorama do rugby português dois novos protagonistas: o Cascais com seis vitórias na prova, e o Técnico que levou dois troféus para casa.
O Benfica com três vitórias e a Académica com duas, completam a lista dos campeões do período.

Finalmente a partir de 1998-99 e até este ano (18 anos) Direito assume a liderança e conquistou todos os seus 11 títulos, deixando dois para Belenenses e CDUL, e um para Académica, Agronomia e Benfica.

Note-se ainda que o Direito tem quatro vitórias na Taça Ibérica a par do Benfica, do El Salvador e do Santboiana, nove vitórias na Taça de Portugal, a par de Agronomia e do Benfica, e lidera isolado as vitórias na Super Taça, com 11 troféus conquistados.

É curioso notar que este longo período de liderança do Direito chegou a seguir a uma passagem que a equipa fez pela 2ª Divisão (1996-97), e pela clara aposta nos seus escalões de formação.
Na verdade, enquanto outros clubes se têm preocupado em melhorar a sua qualidade com recurso à contratação de jogadores estrangeiro, os advogados - que também já tiveram jogadores estrangeiros - conseguem manter-se na frente com recurso exclusivo a jogadores nacionais, embora nem todos fruto da sua cantera...

É também curioso notar que o relatório que aconselha profundas mudanças nas competições nacionais, aponta como necessidade a redução do campeonato por forma a que a competição esteja terminada antes do Europeu das Nações (início de Fevereiro), para facilitar a contratação de jogadores estrangeiros...

Enfim, um raciocínio que envergonha o rugby nacional e aponta claramente para o regresso às trevas...

Veja os quadros com os resultados da época aqui.
Para os resultados das três divisões nacionais,e os diversos resumos de cada competição, veja o nosso hot-site Histórico - vai com certeza ajudá-lo a conhecer a história do rugby em Portugal.

1 comentário:

Antonio Esteves disse...

Muitos Parabéns ao Direito pela temporada em pleno , mesmo após por truques de secretaria da direção da FPR para favorecer o seu mandatário ao buscar uma vantagem de jogar em casa , o GDD foi sempre superior e em controlo do jogo . Parabéns aos jogadores e seu treinador .

Fico com a sensação que foi mais um campeonato perdido pelo treinador do CDUL , as alterações constantes de jogadores como um Girão a jogar 2ºcentro ??? só se pode culpar a ele próprio na falta de bom senso nas escolhas e plano de jogo , uma equipa cheia de estrangeiros (5) e os restantes todos internacionais , produzir o que produziu é inqualificável , mas enquanto este treinador se manter será garantia para o Direito .