1 de outubro de 2014

GILBERT - TRADIÇÃO E QUALIDADE EM BOLAS DE RUGBY

Quando se fala em bola de rugby há, inevitavelmente, um nome que nos surge com grande destaque, quer não só porque a sua qualidade é mundialmente reconhecida, mas também porque está no mercado apenas desde sempre...

30 anos antes de Harry Gray se estabelecer em Cambridge, William Gilbert (fundador da marca) era o sapateiro na Rugby School, na cidade de Rugby, e trabalhava numa loja na High Street que mais tarde foi comprada pela Grays como loja de desporto, sendo ainda utilizada nos dias de hoje.

Em 1823 quando William Webb Ellis correu com a bola nas mãos, iniciando assim o jogo de rugby, a Gilbert já era a fornecedora da Rugby School.

Nesta época, as bolas eram maiores e mais redondas comparativamente com as de hoje, mas podiam ser igualmente chutadas em grandes distâncias.

No seu fabrico não havia tamanhos definidos, mas estava dependente do tamanho da bexiga de porco que era usada.
A história da Gilbert está interligada com a Grays desde 1868, quando a empresa estabeleceu uma forte ligação com a Rugby School, sendo Joseph Gray o primeiro de três gerações da família a trabalhar como profissional de raquetes.

A reputação da marca foi crescendo ao longo dos anos e mesmo depois da morte de William Gilbert em 1877, o seu sobrinho James ocupou o seu lugar, produzindo 2800 bolas por ano.

A Gilbert manteve-se na família até 1978 altura em que, com o aparecimento de novos matérias e marcas, as tradicionais bolas de couro ou cabedal, começaram a perder mercado.

Durante os anos 80 e 90 a Gilbert passou por três diferentes proprietários, tendo desenvolvido durante esse período, novas bolas usando tecnologias com materiais sintéticos.
Nesse período surgiu a bola Barbarian, e a Gilbert expandiu-se para outras áreas de materiais para rugby.

Em 2002 a Gilbert foi adquirida pela Grays of Cambrigde e por obra do acaso, voltou ao seu lugar de nascença, ao nr 19 da High Street.

Actualmente, a Gilbert lidera o mercado de venda de bolas, tanto em tecnologia como em design, mantendo um nível elevado, reconhecido pela escolha da bola para os campeonatos mais importantes do mundo: Aviva Premiership, Super Rugby, Top 14, Championship Rugby, Currie Cup e mais recentemente para o European Rugby Champions Cup and Challenge Cup.

Desde 1995, a Gilbert produz a bola para todos os Campeonato do Mundo de Rugby realizados desde essa data.

A bola da digressão dos Lions de 2013 à Austrália foi também Gilbert.

O Campeonato do Mundo Feminino de 2014 de Paris teve também como bola oficial a Gilbert, bem como das três últimas edições do Campeonato do Mundo de Sevens ( Hong Kong, Dubai e Moscovo).

A Gilbert é ainda fornecedora oficial das selecções da África do Sul, Austrália, Argentina, Inglaterra, Irlanda, País de Gales, França, Escócia, Canadá, Tonga, Rússia e Portugal.

9 comentários:

Great_duke disse...

Quando eu era pequeno sonhava ter uma...Mitre...
:-)

Nem sei se ainda existem...

Anónimo disse...

Essa do rugby ter começado quando o Wellis pegou na bola com as mãos nem parece sua...

Anónimo disse...

Quando me lembro das Adidas em cabedal que pareciam manteiga a escorregar até me arrepio. Só tinham uma vantagem!!!!! Passava-se mais tempo a fazer melées do que a jogar e nesse aspecto os avançados divertiam-se à brava.

Anónimo disse...

Anonimo das 16:50

Então a versão aceite no mundo inteiro, sobre a origem do Rugby, não é a do Webb Wellis?

Porque razão a taça do mundial se chama WWW?

Mas se o caro amigo conhece a verdadeira origem do Rugby, por favor partilhe connosco!

Lembro-me de ter lido, no "Asterix e os Bretões", que se jogava Rugby em 50 A. C.! Será por aí que anda a verdadeira origem da nossa modalidade?

Meu caro, por favor partilhe connosco o seu conhecimento!

Anónimo disse...

fora do contexto , por acaso vi no site da federacção os jogadores inscritos e para espanto meu , como é possivel um clube que vai amanhâ jogar um jogo da 1ª divisão e só tem inscrito 1 jogador senior e outro sub-23 .
pensava que para jogar no fim de semana era preciso estar inscrito até á 4ª feira antes do jogo

Anónimo disse...

Não sendo eu o anónimo das 16:50H, venho referir que relativamente à historia do rugby existem mais do que uma versão. Há uma que me parece mais consistente, que refere que até determinado momento havia um desporto que posteriormente deu origem ao rugby e ao futebol. Aí podia-se jogar ao pé e à mão e a certa altura surgiram associações a propôr o fim do jogo à mão. Umas aceitaram e outras não aceitaram, as primeiras seguiram o rumo que deu origem ao futebol e as segundas seguiram para o rugby.
Independentemente da versão que esteja mais próxima da realidade aconselho o site http://www.rugbyfootballhistory.com/ que tem informações interessantes acerca da história do rugby.

Anónimo disse...

Para quando a convocatória para os seven's os clubes nada sabem e com que jogadores contar para o fim de semana , os prazos não existem só para os clubes , o Presidente fala , mas como quer que os outros cumpram se ele não cumpre , como se costuma dizer o exemplo vem de cima , mas por aquelas bandas isso é pedir muito . Enorme desconsideração pelos clubes que já se habituaram a tal .

Anónimo disse...

Temos que agradecer ao Mão de Mestre , porque a FPR actua em função do que comentamos , ridículo , tudo na mesma , assim como a convocatória que devia ter a melhor das atenções do site , porque só pode ser uma brincadeira e de mau gosto , um jogador retirado Manager umas vezes jogador noutras , um jogador que se sabe que está de partida para os States O sr Joe , e depois dois jogadores que nunca jogaram nos seniores do CDUP e são convocados , o que andam lá a fazer 30 jogadores , devem andar a fazer de saco de batatas mais nada , é vergonhoso para não se dizer mais , mas já aprendemos com o Morais e Neto com o que se passou nas etapas do europeu .

Unknown disse...

Webb Ellis!
"wellies" são botas de borracha
(wellington boots)
abraço David